PL de Marcelo Ramos que regulamenta mercado de carbono é aprovado na Comissão de Indústria e Comércio da Câmara

Proposta é gerar renda e riqueza nas regiões de florestas conservadas do país

No mês internacional do Meio Ambiente, foi aprovado, hoje, por unanimidade, na Comissão de Desenvolvimento, Indústria e Comércio da Câmara, o projeto de Lei 528/2021. De autoria do vice-presidente da Casa, deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), o PL propõe a regulamentação do mercado brasileiro de carbono, ao precificar a floresta em pé e criar um marco legal que traga segurança jurídica aos investimentos e à remuneração dos serviços ambientais no país.

A proposta foi apresentada 12 anos depois da aprovação, pelo parlamento, da Lei que definiu a Política Nacional sobre Mudanças Climáticas. “Num país que tem o maior ativo ambiental do planeta, que são as nossas florestas conservadas, não podíamos ficar de fora desse mercado que, em 2019 arrecadou US$ 45 bilhões ao redor do mundo, segundo especialistas,”, revelou Ramos.

Aprovada na Cdeic da Câmara, a matéria segue para a Comissão de Meio Ambiente, onde será objeto de uma série de audiências públicas que buscam qualificar o texto e adicionar contribuições dos parlamentares e dos setores envolvidos. Marcelo Ramos também planeja levar o projeto de Lei para a COP 26, conferência da ONU a ser realizada em novembro deste ano em Glasgow, na Escócia.

Inventário ambiental- Após a aprovação do relatório do deputado Bosco Saraiva (SD-AM), em sessão da Comissão presidida pelo deputado Otto Alencar Filho (PSD-BA), o autor do PL lembrou que o projeto ganha importância num momento em que o Brasil é alvo de críticas da comunidade internacional, e que seu propósito é combater a pobreza, sobretudo na Amazônia e no seu estado, o Amazonas, que tem o maior naco de floresta contínua conservada no país.

“Estamos prevendo, no texto, fazer o inventário ambiental e, em diálogo com especialistas, estipular metas de participação neste mercado, com parte dos recursos arrecadados a serem investidos em projetos de conservação da biodiversidade”, explicou Ramos.

Buscar

Compartilhe os artigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Confira algumas análises

Dê um like no Facebook