Marcelo Ramos lamenta adiamento da votação da PEC Emergencial

Apesar de considerada de fundamental importância para a economia brasileira, a PEC Emergencial, que trata da regulamentação dos gatilhos que precisam ser acionados no caso de descumprimento da regra do teto —, emenda constitucional que limita o aumento das despesas à inflação do ano anterior, ficou para o próximo ano.

Diante das polêmicas em torno dos textos preliminares do relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a PEC Emergencial — entregues aos líderes no início da semana anterior —, o senador Marcio Bittar (MDB-AC) decidiu não enviar o parecer que estava previsto para ser votado pelo Senado, nesta semana que vem, alegando como motivos a “complexidade das medidas e da atual conjuntura do país”.

Quem não ficou nada entusiasmado com o adiamento foi o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM). Para o parlamentar, “era preciso que as lideranças da Câmara e do Senado demonstrassem grandeza e colocassem os interesses do país acima das disputas internas das Casas”.

Buscar

Compartilhe os artigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Confira algumas análises

Dê um like no Facebook